domingo, janeiro 01, 2017

Os galinhos do Vascão




















Alcoutim - Ribeira do Vascão
29-12-2016


Creio que um dos últimos redutos da verdadeira perdiz vermelha na zona sul do País.

Onde se caça em linha, em silêncio ( só se assobia) e com cães perfeitamente adaptados à orografia do terreno. Barrancos sucessivos de 30 e 40 metros de profundidade, mar de giestas a perder de vista, da altura a maioria das vezes da cintura para cima, a deixarem sérias mazelas e marcas nas pernas e não só.

Os cães, neste caso, por exemplo, o par de bracos na foto, não caçam a mais de 10-15 metros do dono, mais do que isso, naquela zona, é só para afugentar as perdizes sem deixarem dar tiro. Verdadeiros experts de cobro.

Das expostas só 3 eram fêmeas pelo que o dono das terras ainda vai dar mais uma bicada num destes dias de Janeiro para tentar reduzir o número de machos.

Abraço amigo
Feliz 2017.




segunda-feira, dezembro 19, 2016

Última Jornada de Perdiz, Lebre e Coelho

Na primeira hora da manhã

Os resultados vão aparecendo

Cupo no final da jornada - 2 espingardas, nada mal.


Guadiana como pano de fundo

Também quero ficar na foto!!




































































17-12-2016
Salvada - Beja


Encerrámos com chave de ouro.

Perdizes caçadas em zonas  não repovoadas, esguias e fugidias belas lutas dão aos cães, cobros longos e com quedas tremendas cá em baixo nos barrancos,  exigindo o melhor de nós e dos cães.

Já conhecedores dos terrenos que pisamos sabemos bem os terrenos onde também devemos procurar as lebres e os coelhos.

Fisicamente muito exigente e esgotante, demos tudo o que pudemos, até aos nossos limites, mas foi sem dúvida um fantástico dia de caça de salto.

Um abraço amigo



quinta-feira, dezembro 15, 2016

Caça da perdiz - uma paixão!

















10-12-2016

Uma nova e bonita jornada de caça à perdiz, em Beja, por zonas não repovoadas.

De permeio, uma lebre imaculadamente parada e capturada pela Inka, sem tiro!

Saldo no final do dia: 2 belíssimas perdizes por ali criadas e uma lebre.

Abraço amigo.


quarta-feira, novembro 30, 2016

Uma boa abertura

















27-11-2016
Albernoas -Beja


Uma boa entrada de tordos.

Deixamos repousar e lá para meados de Dezembro veremos como está.

Um abraço amigo




De salto


Fiel companheira de caça

A meio da jornada

Resultado final










































24-11-2016
Terras de Beja

Continuam a ser as minhas preferidas.

Para trabalhar com os cães, será do melhor.

Belas jornadas






terça-feira, novembro 08, 2016

Caçada em solitário - Beja




















05-11-2016
Salvada - Beja

Previam os homens da ciência da meteorologia um dia turbulento, com chuvas fortes e trovoadas.

Um amigo meu sempre me disse: " O dia faz-se é à porta do patrão".

Sempre me lembrei desta dica e, sem medos, equipamentos para dentro do carro e, sozinho, às 05h00 da madrugada, saía de São João com destino a Beja.

No local da herdade, onde parei o carro, uma neblina lindíssima cobria as terras na herdade. Não resisti a semelhante beleza e decidi ficar com o registo fotográfico.

No final da manhã pendurava 2 perdizes, 2 lebres e 3 codornizes. Chuva, passou literalmente ao lado, com nuvens negras e trovões, mas ao lado, o sol nunca deixou de assomar timidamente por cima das nuvens.

Depois do almoço, na Salvada, mais uma volta numa outra zona da herdade e cobrei mais um par de perdizes e nova lebre.

Também neste caso por vezes surgem-nos imagens de rara beleza e decidi ficar com o registo fotográfico do sol a romper as nuvens pesadas e inundar de luz o Rio Guadiana convidando também o arco-iris a fazer parte da paleta de cores.

Lindo dia de caça.

Um abraço amigo.






De novo, em Mértola
















29-10-2016
Herdade de Santa Maria

Repetição de nova e excelente jornada de caça, agora que começam as primeiras chuvas.

Perdizes:  42
Coelhos:  12
Lebres:    01

Abraço amigo.




terça-feira, outubro 25, 2016

Sem medos...
















21 Outubro 2016
Albernoas e Salvada


Tempo a continuar quente, os rastos das rodas das viaturas de caça levantam nuvens de pó tais dos caminhos que rapidamente nos "pintam" os carros até às entranhas.

O prazer de seguir caçando a perdiz a lebre e o coelho dá-nos forças onde muitas vezes não esperamos encontrar.

Sobretudo na minha idade.

Quando as pernas pesam, se a perdiz a rompe-nos de surpresa pela frente e se temos a sorte de um tiro certeiro e de um cobro sem mácula, lá sentimos as pernas como novas, e prontas para fazer mais alguns quilómetros.

Neste fim de semana, sempre em crescendo, consegui já bater o record de quilómetros percorridos numa jornada de caça, este ano.

À noite , o cansaço em casa invade-nos mas de uma forma em que, sentados tranquilamente no sofá da sala, sentimo-nos bem connosco próprios, com os que nos rodeiam e com o mundo.

No dia seguinte, quando regressamos ao trabalho, já é outra história.

Mas, sempre sem medos.

Abraço amigo





O que nos move!

















16-Outubro 2016
Às perdizes por terras de Mértola e Beja


O que nos move, sei-o bem,  é a paixão que temos pela caça e o irresistível desejo de partilhar este sentimento com o que os nossos cães sentem, que, por acaso também é o mesmo - paixão pela caça.

Em Santa Maria, embora com os terrenos ainda muito secos e resultados dentro do razoável, é sempre um enorme prazer perseguir e caçar a perdiz.

Beja, essa,  é o espírito de liberdade que nos move, de madrugada até à noite,  onde,  no caso em apreço,  pudemos assistir e admirar com profundo respeito a super lua do ano de 2016.

Um abraço amigo





quarta-feira, outubro 12, 2016

Tempo a arrefecer, caça a aparecer.





















8/9 Outubro 2016
Salvada - Beja

Com as temperaturas a arrefecerem gradualmente neste mês de Outubro, os terrenos, apesar de ainda muito secos e ásperos, já vão permitindo melhores desempenhos, sobretudo mais tempo de trabalho, por parte dos nossos companheiros de 4 patas.

No fim de semana passado, um espólio de 4 lebres, 3 coelhos, 2 perdizes e 8 codornizes,o que se traduz, pondo de lado as codornizes,  numa média de 4-5 peças por dia.

Espero, de futuro, virar-me mais para descrever os lances de caça falhada na jornada, do que propriamente o contrário.

Começarei a desenvolver o tema já neste post ( a concluir).

Abraço amigo.