domingo, fevereiro 04, 2018

Fecho das perdizes 2018




















Vidigueira
27-01-2018



Estando já combinada algumas semanas atrás, com os proprietários da Herdade, tínhamos esta caçada agendada para este dia, para fechar da melhor maneira a época da caça de salto à perdiz.

A habitual disponibilidade e simpatia dos donos da Herdade em receber, aliados à elevada qualidade das aves ali existentes, criou-nos expectativas altas, desta feita acompanhadas de alguma ansiedade,  , particularmente por também ser o último dia de caça.

8 armas capturaram 24 perdizes ao longo de uma extensa jornada das 09h00 às 16h00 ( de permeio o habitual taco no campo,  para retemperar forças nas pernas, escolhido a rigor e com bom gosto, quer nos belíssimos vinhos que nos oferecem quer nos respectivos acompanhamentos, bem quentinhos ).

É do conhecimento de todos nós, nós os que fazemos parte desta fantástica confraria dos caçadores que " um dia é da caça, outro dia é do caçador". Todos nós certamente saberemos este ditado.

Neste dia, fui uma vez mais feliz e coloquei toda a sorte do meu lado, do lado do caçador.

De entre todos os lances, que não irei detalhar, destacarei para sempre, na memória, um disparo a uma perdiz que nos escapava, voando sobre barragem ali existente. Tiro longo, asa partida e perdiz na água. Como as perdizes têm a particularidade de não saberem nadar seria, sempre, perdiz perdida atendendo à distancia a que caiu e à inexistência de vento suficientemente forte que a conseguisse empurrar para uma das margens.

Mas ainda não tinha baixado a Bereta após o tiro e já a inka, minha braco alemão projectava-se em salto acrobático para dentro de água ( devia estar pouco gelada devia ) e, a gemer, em nítido esforço de luta com aquelas águas geladas, a cadela nadou dezenas de metros até à ave, abocanhou-a e, de forma absoluta e irrepreensível, cobrou-a, trazendo-a na boca, viva. Dado o tempo despendido neste lance deu para tirar foto( acima) .

Um excelente almoço-ajantarado já com o sol a cair no horizonte, deu-se o dia por terminado.

Um bem haja a todos os que participaram e organizaram esta caçada de fecho e a esperança de muita saúde para todos,  para nos podermos por lá reunir de novo na próxima época.

Abraço amigo.








sexta-feira, janeiro 26, 2018

Aproveitando o mês de Janeiro.


1ª da manhã


Inka em ponto com codorniz. Blitz em patron.

Blitz parado sobre codorniz.

Inka parada sobre codorniz.




























21-01-2018
Dia de Perdizes
Salvada - Beja
_____________


Num dia que amanheceu cinzento e com intenso nevoeiro, rumámos, como habitualmente, para Beja, para uma nova jornada às perdizes. Nesta altura, lebres e coelhos já descansam, dentro do calendário do defeso, cumprindo a sua função de  reprodução.

Ao propósito, logo pela manhã e ao iniciarmos a jornada, um par de lebres namoradeiras veio ter comigo, a trote, quando, desconfiadas ( mas já não atiradas ), ergueram-se ambas sobre as pernas traseiras, a 25/30 metros e observaram-me, demoradamente, como se a época de caça já tivesse terminado há muitos meses. Quase fiquei de boca aberta, perante tamanho desplante e a pensar que se decorresse ainda a época de caça seria muito pouco provável tal acontecer.

Depois do almoço, fomos com os cães a uma zona onde há sempre codornizes sedentárias e, de espingardas abertas, ali estivemos a dar algum treino à Inka e ao Blitz. As fotos acima foram de telemóvel e as melhores possíveis dentro do meu amadorismo fotográfico.

Antes do almoço tínhamos avistado, do carro, bem afastadas, um bando de 4 ou 5 perdizes que tranquilamente comiam longe, na orla de um olival. Logo ali combinámos que depois de comermos seria exactamente para aquela zona que iríamos caçar à perdiz.

Conseguimos, então,  o levante de algumas e, com a zona muito bem abordada da nossa parte, espalhámos 2 ou 3 bandos e, correndo-nos bem, com tiros sempre muito certeiros e ajuda dos cães no cobro, cobrámos meia dúzia de belíssimos exemplares.

Anoitecia quando guardámos as armas e recolhemos os cães ao carro, regressando a casa.

Cansaço espelhado no rosto mas satisfação de sobra na alma por um dia muito bem passado.

Abraço amigo.




terça-feira, janeiro 02, 2018

Último dia de caça geral


















30-12-2017
Quintos - Beja

Foto na antiga estação de comboios de Quintos. Linha férrea (não visível na foto) agora abandonada.

Das 08h00 às 17h00, belíssimo dia de caça à perdiz , coelho e lebre !

Último dia de caça da época e encerramento com chave de ouro.

Abraço amigo



Dia de coelhos



















29-12-2017
Quintos - Beja

4 coelhos e 2 perdizes.

Extraordinário e insuperável trabalho da Inka na caça ao coelho. O dia, muito fresco, também ajudou à festa e entre alguns tiros falhados e outros bem certeiros, a cadela lá me foi descobrindo, parando e levantando os "orelhudos" em terreno de pinhal com muito lenha seca cortada e muitas tocas para onde diversos se escapuliram.

Penso que jamais esquecerei este dia, sobretudo pela qualidade dos lances, nesta divertida caça ao coelho com cão de parar.

Para mim, foi Inka no seu expoente máximo.

Abraço amigo.





Final de Época



















Salvada
28-12-2017

Com enfoque muito especial em terrenos menos explorados, a jornada correu-me muito bem, direi mesmo,  irrepreensível.

Inka em grande destaque nas planuras, com toda a sua experiência ( na foto acima deu inclusive tempo para captar  paragem a lebre, guardar o telemóvel e finalizar o lance, com êxito ) .

Sem esta cadela exemplar, a completar brevemente 7 anos de idade e sempre ao meu lado, reconheço que nem de perto nem de longe conseguiria sequer um terço das perchas.

Insuperável no esforço que dedica na caça, a trabalhar só para mim, para o seu dono, atrevo-me a pensar que seriamos, talvez, uma dupla quase perfeita na caça de salto, não fora sempre alguns tiros falhados pelo seu dono.

Saldo no final : 2 perdizes, 2 lebres e 1 coelho.

Abraço amigo




terça-feira, dezembro 19, 2017

Perdizes na Serra do Mendro - Portel

















17-12-2017
Marmelar - Portel
Serra do Mendro


Planeada praticamente desde o inicio da época, este dia de caça na Serra do Mendro caracterizou-se essencialmente... pela vitória das perdizes!

Atacado o topo da serra logo nas primeiras horas da manhã, foi extremamente difícil de lá desalojar as vermelhudas pelo que não tivemos outra solução senão, cansados, mais tarde, descer  para o sopé da dita serra e continuar a caçada em terrenos mais acessíveis.

O belíssimo taco a meio da manhã, para retemperar forças, permitiu-nos continuar a caçar em linha até perto das 15 horas.

No final, 9 espingardas e 26 perdizes e uma lebre abatidas.

Abraço amigo.

Dia de Coelhos


















15-12-2017
Quintos - Beja

Caça em solitário.

Depois de 1 ou 2 dias de chuvas mais intensas, a jornada de caça foi frutuosa.

Cupo final de 6 coelhos e 2 perdizes .

A Inka,  como habitualmente, a não surpreender , a parar e desalojar 4 dos 6 coelhos cobrados.

A percha poderia até ter sido mais alargada, não fora 3 ou 4 disparos falhados.

Abraço amigo





domingo, dezembro 10, 2017

Haja alegria.



















08-12-017


Dia bem passado.

Haja alegria e boa disposição.

Agora que acabou a época das codornizes há que fazer alguns "golpes de  mão" em cantos ainda pouco explorados.

Desta feita,  caçada feita em zona de pinhal, com matos, pinheiros cortados e tombados e pastos altos.

Os cães de parar, bracos, estiveram em grande plano no contributo da descoberta e cobro das peças , com especial relevo para o "café".

Abraço amigo.




quarta-feira, dezembro 06, 2017

Codornizes - Fim de época















02-12-2017


Jornada de caça em Beja que rendeu ainda algumas peças.

Finalizámos no dia 30 a época das codornizes e sobrou divertimento: muita emoção, muitos tiros, paragens por simpatia com 3 bracos em simultâneo e, na soma das partes envolvidas, cupos atingidos.

As lebres e os coelhos deram um jeito e um trio de perdizes enriqueceu a percha.

No dia 02 abrimos aos tordos na Adiça mas as portas que nos calharam em sorte não foram as melhores embora tenha conhecimento de diversas espingardas a atingirem o limite estabelecido por lei. A ver vamos, em próximas visitas.

Abraço amigo.



quinta-feira, novembro 23, 2017

Continua o tempo seco.















19-11-2017
Vidigueira e Salvada

Impressionantes as temperaturas que se têm feito sentir este ano, particularmente já neste mês de Novembro, que mais parece verão.

Foi uma jornada mista, de perdiz de salto e codornizes.

Estas últimas ainda vão aparecendo e permitem belíssimos lances com os cães.

Coloquei 3 fotos propositadamente para evidenciar:

a) na foto com os bracos é possível observar-se o fumo de queima dos restolhos, prática esta habitual nalgumas zonas do alentejo, mas nunca nesta altura do ano, em 19 de Novembro. Aquelas terras estão tão secas, que o que é usual fazer-se durante Setembro, continua a fazer-se em meados de Novembro. Não me lembro sequer na minha vida de tal ter acontecido.

b) fotos do taco a meio da caça às perdizes. Habitual fazer-se um taco a meio da jornada para retemperar forças e seguir caminho até ao final da caçada. Nos recipientes de cortiça podem ver-se pedras de gelo para refrigerar as bebidas. Ensopados de suor com o calor que temos enfrentado, são bebidas frescas, abençoadas. Em novembro, habitualmente, mais a condizer, costumo beber no taco uma taça de vinho tinto que aquece bem mais a alma.. Aqui bebeu-se do branco e gelado, percebem? - é no verão que se bebe desta maneira e não em Novembro às portas do inverno.

Enquanto escrevo, lá fora,  chove abençoada e copiosamente, mas aparentemente não resolverá, para já de imediato, a seca que Portugal atravessa.

Para mais tarde recordar.

Um abraço amigo.